20/03/2012

15 coisas estranhas que nós, humanos, fazemos diariamente, e porquê

Já reparou que se você perder demasiado tempo a olhar para os dedos das suas mãos, eles começam a transformar-se em apêndices alienígenas diante dos seus olhos? Não estou a brincar. Experimente! Você começa a ver algo normal a transformar-se numa coisa verdadeiramente bizarra. 

O mesmo vale para o resto das nossas características físicas. Tomamos por certo que coisas engraçadas nos fazem gritar de forma espástica - também conhecido como rir - e que passamos um terço de cada dia das nossas vidas num estado semelhante à animação suspensa - conhecida como sono. Mas, contemplando-os um pouco, estes nossos comportamentos parecem realmente muito estranhos.



Conheça agora aqui uma lista 10 coisas completamente mundanas e muito estranhas ao mesmo tempo, que fazemos o tempo todo, e porque motivo as fazemos:



15 - Chorar
Como é estranho que a tristeza faça água transbordar dos nossos olhos, não acha? Entre todos os animais, só nós é que choramos lágrimas de emoção. Elas não só têm a função de comunicar sentimentos de angústia, mas os cientistas acreditam que as lágrimas também carregam certos hormónios indesejáveis ​​e outras proteínas que são produzidas durante períodos de stress para fora do corpo, o que pode explicar o efeito catártico de "um boa choradeira."


14 - Soluçar
Os soluços não são nada mais do que espasmos involuntários do diafragma - a membrana muscular no nosso peito, que desempenha um papel importante na respiração. Ficamos com muitos soluços quando o músculo fica irritado, muitas vezes causado pela presença de muita comida no estômago, ou muito pouca. Estranhamente, no entanto, os soluços são tão inúteis quanto o são irritantes, pois eles não servem a nenhum propósito aparente. 

Uma hipótese sugere que eles podem ser um resquício de um reflexo de sucção primitivo. Seja qual for a antiga função, eles são muito pouco mais do que um incómodo hoje, e podemo-nos livrar deles através de uma variedade enorme de remédios populares caseiros. Eu resolvo a situação bebendo um copo de água morna. Pronto, já passaram.


13 - Dormir


Passamos cerca de um terço de nossas vidas a dormir. Nenhum ser humano pode viver sem dormir por mais de um punhado de dias, e ainda assim, o sono pode ser a menos compreendida de todas as nossas atividades. Ele certamente permite muito "trabalho de manutenção" corporal, desde a produção de produtos químicos que são utilizados durante as horas de despertar até à auto-organização dos neurónios no cérebro em desenvolvimento. 

O sono REM, com a sua alta atividade neuronal, ocorre durante mais tempo a cada noite durante os períodos de crescimento do cérebro. Várias teorias apontam para o dormir como um estado vital para a nossa memória e aprendizagem. Pode ajudar a enraizar as nossas memórias episódicas em armazenamento a longo prazo, e também pode simplesmente dar às nossas atividades mentais em horas despertas uma pausa bastante necessária.


12 - Morrer
Ok, tecnicamente falando, morrer não faz parte das nossas atividades quotidianas. É, no entanto, feita por muitas pessoas todos os dias. Porquê? Morremos porque, simplesmente, as nossas células morrem. Apesar de se substituírem uma e outra vez ao longo de 70 e poucos anos, elas não podem fazê-lo para sempre.

Dentro de cada célula, os telómeros, no final dos nossos cromossomas, contêm informação genética que é cortada fora a cada divisão celular. Os telómeros começam o tempo suficiente para lidar com um grande número de recortes de tesoura. Mas, eventualmente, eles ficam sem duração, a informação neles contida perde-se e as células não se podem dividir mais. Mas não desespere, porque os cientistas estão a trabalhar em soluções para prolongar a vida dos seres humanos, e pensam que, em algum dia, será possível aumentar para o dobro o nosso tempo de vida.


11 - Corar
Afinal, parece que a reação das bochechas avermelhadas é uma nossa resposta universal à necessidade de atenção social. Todos nós coramos, uns mais que outros, evidentemente. O corar comum despoleta quando se conhece alguém importante, por exemplo, quando recebemos um elogio ou quando desenvolvemos uma forte emoção numa determinada situação social.

A biologia do rosto corado funciona da seguinte maneira: as veias da cara dilatam, causando mais sangue a fluir para as bochechas, produzindo uma compleição rosada. No entanto, os cientistas estão perplexos a respeito do porquê de tudo isto acontecer, e para que serve.


10 - Beijar


É estranho, quando penso sobre isto, que a troca de saliva entre duas pessoas seja algo romântico. Afinal, parece que é um nosso instinto biológico. Beijar permite às pessoas usar o olfato e o paladar para se apreciar um ao outro como potenciais parceiros. A respiração e a saliva das pessoas transmitem sinais químicos para saber se elas são saudáveis ​​ou doentes, e, no caso das mulheres, se estão a ovular - todas mensagens importantes para os potenciais parceiros na reprodução.

Além disso, a pele em redor dos narizes e bocas das pessoas é revestida com óleos que contêm feromonas, substâncias químicas que transmitem informações sobre a composição biológica de uma pessoa. Quando as pessoas pegam as feromonas umas das outras durante um beijo, elas subconscientemente tornam-se mais ou menos sexualmente atraídas uma pelo outra, dependendo do que detetarem.

Para além de todas as pistas de sensores químicos trocados durante os beijos, os psicólogos também acreditam que o ato físico de beijar ajuda os casais a unirem-se. Esta teoria é apoiada pelo fato de que a oxitocina - uma hormona que aumenta as sensações da maioria das pessoas, de amor, de sociabilidade e confiança - inunda o cérebro ,,quando as bocas se beijam.



9 - Soltar gases
Esta resposta pode cheirar mal, mas tudo o que nós comemos e bebemos pode-nos provocar gases. De facto, é completamente normal libertarmos cerca de 2 litros de gases por dia, ou cerca de 15 ou 20 traques, mais coisa menos coisa.

A flatulência "perfumada", no entanto, vem das colónias de bactérias que habitam dentro do nosso trato intestinal inferior. No processo de converter os alimentos em nutrientes úteis, estes micróbios comedores de alimentos produzem um subproduto fedorento de gás de sulfeto de hidrogénio de gás - o mesmo pivete que emana de ovos podres. Tal como muitos de nós, as bactérias mastigar melhor alimentos açucarados. Os tipos de açúcar naturalmente presentes na fruta, leite - e, é claro, feijão - produzem o maior número de peidos.


8 - Rir
Quando o efeito de uma boa anedota o contagia, você sente a necessidade de gritar de forma espástica, várias vezes. Rir é estranho. Se o é, então porque o fazemos?

Os psicólogos acham que esta resposta comportamental serve como um sinal para os outros, espalhando emoções positivas, diminuindo o stress e contribuindo para a coesão de grupo. Pelos mesmos motivos, os chimpanzés e os orangotangos sorriem e riem durante as suas brincadeiras sociais também. De facto, muitas hipóteses sugerem que o rir surgiu do ofegar. Quando os nossos ancestrais pré-humanos lutavam brincando uns com os outros, ofegavam muito...eventualmente levando-os em a rirem muito.

7 - Pestanejar
O pestanejo não é assim tão estranho, de facto. Esta nossa atividade de curta duração afasta as partículas de poeira e espalha fluidos lubrificantes em todo o globo ocular. O que é estranho, porém, é que deixamos de perceber o mundo mergulhando na escuridão a cada dois a 10 segundos! Os cientistas descobriram que o cérebro humano tem um talento para ignorar este apagão momentâneo. O próprio ato de pestanejar suprime a atividade em várias áreas do cérebro responsável pela deteção de alterações ambientais, de modo que nós experimentamos o mundo em nosso redor como algo contínuo.


6 - Andar distraído
Não importa o tempo que levamos a tentar manter-nos focados numa determinada tarefa cotidiana, como escovar os dentes ou esperar numa fila no banco, simplesmente não conseguimos parar as nossas mentes de divagar. Felizmente, esses episódios bizarros de consciência sem cognição, em que estamos distraídos a "passear na lua" são na verdade uma coisa boa. Eles são vitais para a criatividade e para o pensamento imaginativo.

Em vez de ficar completamente focados num estímulo externo aborrecido e familiar, a pesquisa da neurociência revela que a nossa atenção faz uma "limpeza" e diminui, gastando nós cerca de 13 por cento do nosso tempo literalmente a "viajar na lua". Durante este tempo, estamos livres para flutuar ao longo das correntes internas da nossa consciência, seguindo sempre as nossas mentes onde nos levarem aleatoriamente, até chegar ao momento "eureka" - ou, pelo menos, até a uma ideia espontânea e interessante.


5 - Ver em 3D
Eh lá, espere um segundo...como é possível dois olhos produzirem visão tridimensional?

É, na verdade, um truque da mente (ou três truques, para ser exato). Em primeiro lugar, o nosso cérebro utiliza a "disparidade binocular" - a ligeira diferença entre as imagens vistas pelos nossos olhos esquerdo e direito. Os nossos cérebros usam as duas versões distorcidas de uma cena para reconstruir a sua profundidade.

Para um objeto aproximado, em close-up, o cérebro regista a "convergência" dos nossos olhos, ou o ângulo que eles balançam para se concentrar no objeto, para decidir até que ponto está longe dele. Quando olhamos para as coisas em movimento, nós inconscientemente medimos a distância, registando "paralaxe", ou seja, a diferença na posição aparente de um objeto visto por observadores em locais distintos.


4 - Dormência
Aleijar-se no osso úmero do cotovelo não é das sensações mais agradáveis. Ou cruzar as pernas durante muito tempo. Ou acordar a meio da noite com as mãos ou os pés desagradavelmente dormentes. O que nos causa esta sensação horrível de parecermos picados por agulhas?

Isto acontece quando aplicamos demasiado peso ou pressão sobre um nervo, inibindo a sua função temporariamente, e, em seguida, remove a pressão. Como o nervo retorna gradualmente ao normal, o nosso cérebro interpreta de alguma forma a sua actividade como uma sensação de formigueiro - ou de ser picado por alfinetes e agulhas.


3 - Barbear e depilar
Seja você uma mulher que luta contra os pêlos nas axilas ou pêlos púbicos, ou um homem que detesta pêlos na barba, a depilação e o barbeio é a norma para os seres humanos modernos - tanto é assim que se não rapar determinadas zonas do seu corpo, muitas pessoas vão achá-lo muito pouco atraente. Mas, estranhamente, este nosso comportamento culturalmente estabelecido, desafia a nossa própria evolução. Afinal, os pêlos nas axilas e os púbicos evoluíram para nos ajudar a "caçar" feromonas.

Considerando que nós exalamos aqueles odores químicos para o único propósito de atrair parceiros, é estranho agora percecionarmos o seu cheiro desagradável, e os pêlos que os envolvem, dignos de se rapar. Além disso, as barbas evoluíram para ajudar as mulheres a distinguir os homens dos rapazes, pois estas indicam a maturidade de um homem, e delineiam a linha da sua mandíbula masculina. No entanto, hoje, a maioria dos homens opta por exibir um visual limpo e barbeado.



2 - Arriscar
Tomar riscos pode ser-lhe mortal, já muito exemplificado pela frequência de acidentes fatais de pára-quedismo e montanhismo, por exemplo. Então, por que não ficamos todos em casa sentados num confortável sofá a assistir a um bom filme na tv? Porquê esta nossa vontade de fazer coisas perigosas?

Os psicólogos dizem que a tomada de riscos decorre da nossa necessidade de impressionar potenciais parceiros. Os homens enfrentam uma concorrência mais intra-sexual do que as mulheres, e assim eles devem publicitar a sua boa forma sexual - através de façanhas ousadas - mais concretamente. Isso explica-nos porque motivo os homens tendem a assumir riscos ainda mais quando estão em grupos. Embora as mulheres geralmente sejam mais avessas ao risco, todo nós nos esforçamos para impressionar alguém numa determinada ocasião.


1 - Fazer sexo
Pois, pois, todos nós sabemos que é preciso fazer sexo para nos reproduzirmos. Mas porque motivo temos de ter dois sexos, em vez de uma população uniforme de seres reprodutivos assexuados? Afinal, com o dobro do número de mães, as populações de organismos assexuados crescem o dobro da taxa de organismos sexuais em testes de laboratório.

A melhor resposta dos biólogos, a chamada hipótese da Rainha Vermelha, sustenta que os organismos e os parasitas que vivem neles estão envolvidos numa corrida em que eles evoluem constantemente em resposta a cada uma das suas mutações genéticas, mantendo um equilíbrio global. Sexo, a teoria sustenta, fornece aos  organismos hospedeiros mais um degrau nesta escada evolutiva, permitindo que dois desses organismos ordenam aleatoriamente os seus genes, criando novas combinações raras na sua prole - e novos desafios para parasitas coevolventes.

Então, da próxima vez que você tiver sexo com alguém, agradeça aos parasitas dentro de si.

Agora que você ficou a conhecer alguns dos seus comportamentos estranhos, diga-me sinceramente a sua opinião. Seremos assim tão bizarros ou tudo está tão bem planeado pelo Universo para funcionarmos em perfeita harmonia? Se gostou, clique em GOSTO e partilhe com os seus amigos no Facebook.






Fontes consultadas para este artigo:
Baseei-me em artigos de diversos sites e publicações periódicas online, principalmente a Wikipedia, Super Interessante, American Scientific, etc.

2 comentários:

Capitu disse...

Parabéns pelo blog, post mtt interessante !

Paloma Brasil disse...

mto bom... adorei ler sobre isso.

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Design Blog, Make Online Money